Defesa Civil conclui levantamento de área de risco em Cânions no Rio São Francisco

Relatório vai apontar possíveis áreas de risco de desplacamento de rocha e trazer orientações de segurança. Trabalho foi realizado por força-tarefa coordenada pelo Governo de Sergipe

23 de fevereiro de 2022 | 12:23

O Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil de Sergipe (Depec) encerrou o trabalho de levantamentos de setorização e mapeamento das áreas de risco dos paredões dos Cânions de Xingó, nos estados de Sergipe, Alagoas e Bahia e as equipes do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) vão elaborar o relatório que irá apontar possíveis áreas de risco na região avaliada.


Foram oito dias de trabalho intenso no projeto piloto de levantamento de áreas de cânions, ação foi realizada por vários órgãos que montaram uma equipe multidisciplinar. Além das equipes da Defesa Civil de Sergipe e Alagoas, técnicos de outras instituições atuaram nesse serviço: A Universidade Federal de Sergipe (UFS) enviou geólogos que trabalharam conjuntamente com profissionais especialistas do Serviço Geológico do Brasil (SGB– CPRM), vindos das cidades de Salvador e do Rio de Janeiro; o Corpo de Bombeiros de Sergipe enviou equipe técnica para dar apoio em ações específicas; a Defesa Civil de Aracaju atuou com operadores de drones; a Prefeitura de Canindé de São Francisco, juntamente com a Defesa Civil municipal forneceram a logística; a Superintendência Especial de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (Serhma) e técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) também estavam presentes.


Segundo o Diretor do Depec, tenente coronel Luciano Queiroz, havia uma previsão de que esse levantamento durasse dez dias, entretanto ele foi realizado antes do previsto. “Conseguimos concluir a coleta de dados antes do prazo de dez dias, que era o estipulado, agora será feita a análise do material colhido nesses dias de trabalho. Nos próximos dias será produzido um relatório, onde serão feitas as recomendações necessárias e, caso haja local onde seja detectado risco iminente de desplacamento de rocha, serão feitos os avisos e orientações devidas para evitar possíveis acidentes”, explicou.


O mapeamento dessa área de grande desenvolvimento turístico é uma espécie de medida preventiva, após o desastre ocorrido no último mês de janeiro, no município de Capitólio em Minas Gerais, com o objetivo de que seja realizada uma setorização e identificação de áreas de possíveis riscos geológicos na região.


Foram inspecionados, na convergência do Rio São Francisco, entre os Estados de Sergipe, Alagoas e Bahia, pontos turísticos como: Cachoeira do Lajedão, Vale dos Mestres, Toca do Sal, Fazenda Mundo Novo (Canindé de São Francisco/SE); Trilha do Trem, Pedra do Gavião (Piranhas/AL), Morro dos Macacos, Praia da Dulce (Olho d’Água do Casado/AL), Cânions do Talhado (Olho d’Água do Casado e Delmiro Gouveia/AL); Praia da Cruz, Vale do Sal, Furna do Morcego (Delmiro Gouveia/AL); Cachoeira de Paulo Afonso – Ilha do Urubu e Teleférico (Paulo Afonso/BA e Delmiro Gouveia/AL); Rio do Sal, Lagoa da Pedra (Paulo Afonso/BA).


O Diretor do Depec salientou a importância de contar com o apoio de empresas turísticas da Canindé de São Francisco na realização do levantamento. Tivemos o apoio fundamental na logística de empresas que atuam na região. O Karranca’s Bar e o Restaurante Castanho, tiverem papel fundamental durante o desenvolvimento das atividades realizadas, disponibilizando as embarcações e combustível, alimentação e guias locais para uma melhor identificação das áreas avaliadas”, finalizou.

Última atualização: 23 de março de 2022 07:16.

Pular para o conteúdo